Equilíbrio em um Pulo

Exercício considerado simples, pular corda dá agilidade, força e melhora o condicionamento físico e a capacidade de equilíbrio.
Você já percebeu que, em quase todos os filmes sobre boxe, os lutadores aparecem pulando corda? Segundo Marcelo Cavalheiro, ortopedista do Hospital Albert Einstein e especialista em assuntos relacionados a esportes, o exercício proporciona, entre outros benefícios, a capacidade de ficar em pé com facilidade. Além de favorecer o equilíbrio, pular corda ajuda a ganhar condicionamento físico e a fortalecer a musculatura. “Principalmente dos glúteos, da coxa e da panturrilha”, diz.
“A atividade também trabalha a capacidade aeróbia e anaeróbia e tem um gasto calórico maior do que o dos exercícios tradicionais”, diz Anderson Carlos, da Test Trainer.
Antes de começar a pular corda na sala de casa, porém, fique atento a alguns cuidados necessários para não enfrentar nenhum problema. “A atividade exige muito do corpo. Em pouco tempo, a pessoa realiza um esforço bastante grade. Então, é preciso respeitar o período de adaptação do organismo”, afirma Cavalheiro. “Se alguém sedentário começa a pular muito, a musculatura entra em fadiga, pode ter estiramento e cãibra”, afirma.
De acordo com Carlos, aqueles que têm dores nas articulações do quadril, do joelho e dos tornozelos, devem evitar esse exercício.
Para impedir que outras complicações apareçam, é importante usar um tênis adequado. Está difícil escolher o melhor? A Personal Test Trainer Lidiane Honório dá  dica :” O som provocado pelo impacto do calçado no solo deve ser mínimo ou inexistente, sendo esse um bom indicativo para perceber se o salto está sendo amortecido”, afirma.
Ela ainda ressalta que a pessoa precisa verificar se o tamanho da corda é apropriado à sua altura. “Basta pisar na corda e estendê-la até as duas extremidades cheguem logo abaixo das axilas, pois isso evitará desconforto para o praticante”, diz. Os pisos mais indicados são o gramado, emborrachado e o de madeira. É preciso, ainda, verificar a altura do tetopara evitar acidentes.
Lidiane explica que há três variações do exercício. “A primeira é de intensidade leve, na qual a pessoa pula com os dois pés juntos saltando e aterrissando lentamente. A segunda tem intensidade moderada e é executada alternando os pés e elevando os joelhos até a altura dos quadris. E a terceira, mais intensa é com salto alternando os pés e elevando os joelhos até a altura do abdômen.”
Fonte: Revista Da Hora
banner blog cliente
Gostou? Clique aqui e Curta nossa página do facebook e fique por dentro de todas novidades do blog!

Comments

comments