Teste de IMC está defasado, mas método de bioimpedância também apresenta limitações

bioimpedanciaHoje, para aferir o percentual de gordura do corpo, os profissionais ligados à estética corporal se utilizam, de maneira geral, da técnica conhecida como IMC – Índice de Massa Corporal.

Porém, há controvérsias com relação ao índice obtido pelo IMC, que pode subestimar a gordura corporal e não diferenciá-la da massa muscular. Entre os métodos considerados mais eficazes para medir a gordura corporal está a Bioimpedância, que consegue diferenciar o que é água,

músculo e gordura do corpo.

Porém, na visão do fisiologista Givanildo Matias Holanda, diretor da Test Trainer, a bioimpedância também tem os seus prós e contras. “O método de bioimpedância requer procedimentos prévios para a sua realização, o que o torna mais limitado. Muitas vezes, as informações coletadas estão equivocadas porque as pessoas não seguem estes procedimentos“, afirma o fisiologista.

Entre os procedimentos, ele cita que o avaliado não pode realizar atividades físicas 24 horas antes, não pode tomar qualquer medicamento diurético uma semana antes, nem beber café 30 minutos antes do exame, além de outras recomendações que, se não seguidas, podem impactar no resultado final.

De outro lado, em recente estudo feito pelo Programa Prato Saudável, um teste de bioimpedância verificou que 58% dos paulistanos apresentam riscos de doenças ligadas à gordura, enquanto que o IMC acusou 35%.

Fonte: Portal Beleza Revelada.

Leia Também:

  Aprenda a usar o pedômetro, perca quilos e mande embora o sedentarismo

Trainers começam a atuar na reabilitação de lesões e até no preparo cirúrgico dos pacientes

Gostou? Clique aqui e Curta nossa página do facebook e fique por dentro de todas novidades do blog!

Mini_Banner_Blossg

Comments

comments

Uma ideia sobre “Teste de IMC está defasado, mas método de bioimpedância também apresenta limitações

  1. Pingback: Os benefícios do exercício físico no combate à depressão | Blog Test Trainer

Os comentários estão fechados.